foto doinstagram de Laura Tonini

[Por] menos estados emergenciais e mais estados dançantes e poéticos – respiro, pausa, beleza.Laura Tonini facilita processos de ensino e aprendizagem, trabalha com movimento, escrita sinestésica, arte-educação somática e encontra na dança uma ferramenta para humanizar as relações. É sobre essas relações entre Comunicação e Corpo que conversamos no dia 9 de abril de 2021.

Abrindo possibilidades de expressão

Se comunicação é a arte de tornar comum, por que não pensá-la para além das palavras? A dança, conta Laura, traz de volta a “relação comigo, com as outras pessoas e com os espaços que ocupo e habito”.

Num mundo tão acelerado como o nosso, abrir espaço para dançar é dilatar o tempo, especialmente o das relações. Para ela, dança e a escrita são possibilidades de expressão: “Pensar em como me expresso, me coloco no mundo e nas relações”. Sua expressão escrita (e a que ela propõe em seus programas) nasce da percepção dos próprios movimentos, do próprio corpo. A arte-educadora conta que essa abertura ao corpo tem sido uma demanda não só dos contextos artísticos e de desenvolvimento pessoal, mas de muitas empresas: “Muitas empresas de tecnologia estão pedindo nesses tempos de pandemia; espaços de comunicação com esses outros espaços novos como mecanismo de humanização”, conta.

Expressividade é sua palavra-chave para definir comunicação. Sem adentrar em conceitos específicos, ela diz que vê comunicação e expressão muito juntas, uma comunicação que nasce da clareza do que cada um expressa. Conversamos sobre o quanto hoje há um excesso de expressividade e que uma expressão sem propósito pode virar alienação. Por isso, seu trabalho se dedica muito a promover uma expressão com clareza, com observação das escolhas, do movimento do corpo até a palavra (ou vice-versa). “Dentro do meu trabalho, a expressão é muito presente. A dança e a escrita só vêm porque estou muito dentro de mim, com muita certeza de que investigação corpórea estou atenta nesse momento. Escolho o movimento e a palavra”, Laura explica como trabalha a educação somática e a escrita cinestésica: após o movimento do corpo, a pessoa é convidada a traduzir o movimento nas mãos, numa escrita automática e cinestésica. Em seguida, propõe a reflexão desses escritos. A comunicação, assim, nasce a partir dessa reflexão, emerge do texto, estrutura sobre a qual se dá um sentido para tudo o que se movimentou interna e externamente.

Cinestésico e Sinestésico 

Cinestesia se conecta com a percepção do movimento com sentido, observando pesos, resistências, gestos. Já sinestesia tem relação com a sensação espontânea (ou cruzamento de sensações) de cada indivíduo diante de estímulos diversos. São esses dois eixos que dão base para exploração da expressividade, através da dança, que pode se tornar comunicação.

“A dança é um saber que não passa pela palavra comunicação. Sinto que para usar essa palavra [comunicação], quando ela vem solta, vem trazendo ideia de uma linha narrativa. O meu trabalho não é sobre linha narrativa, é sobre sensação, é sobre sentir. Falo mais na palavra diálogo do que comunicação – é como uma troca, a partir do seu lugar, da sua vivência, história”, explica Laura.

Nesse ponto, Michelle complementa dizendo que em algum momento da história a comunicação deixou de ser diálogo, talvez porque se começou a entender comunicação como sistema, quando a palavra vem de comum, uma organização do comum – e que é preciso reavivar esse significado.

Corpo comunicante

Trazendo a conversa para o corpo comunicante, este que é nossa mídia primária, Laura reflete sobre o viés da Educação Somática, que trata da unidade mente-corpo e como um espelha o outro. Ela diz que a somática (na abordagem de Thomas Hanna) reforça a ideia de que somos a inter-relação entre consciência, função biológica e meio ambiente. São três inteligências que orquestramos: mecânica (do corpo do movimento), a biológica (dos sistemas) e a relacional (dos afetos).”

Para convocar o corpo comunicante, é importe dar atenção ao fenômeno do movimento. Nesse sentido, Laura conta que percebia que a dança de salão tradicional, por exemplo, não se apresentava tanto como um lugar de comunicação, pois havia a regra da cópia e reprodução de um movimento dependendo do estilo da dança. Hoje ela trabalha mais de perto com a improvisação em dança e pôde aportar sua prática de educação somática: “Meu público vai afetar o que estou fazendo e tenho abertura para modificar o que estou fazendo. Nesse sentido, entendo que é um corpo que comunica, dialoga. É fenomenológico – depende de como o público reage também. Sinto que é um corpo aberto ao que acontece agora, muito mais do que preso a uma estrutura”, aponta.

Na improvisação estruturada, o espetáculo é pensado para ser atravessado por afetos: da artista, como está naquele dia, e do público, como recebe e interage.

corpo presente

Na relação com a escrita, a dança é “escrita com presente, com o corpo presente”, como diz Laura. A presença é uma qualidade fundamental para a prática que ela conduz, aguçando a percepção de seus alunos. “Na educação somática, eu trabalho com BMC (Body Mind Centering) e os pilares são: sentir, perceber e agir. A presença é sobre isso: sinto, percebo que sinto e faço algo a respeito, percebendo isso. Pra mim não é mental, tem mais a ver com engajamento corpóreo, estou inteira engajada naquilo, por exemplo no vento tocando minha pele, som passarinho e buzina do carro; não tem a ver com estado de não pensar em nada”, explica.

corpos em relação se (re)humanizam

Laura comenta que seu fazer é dedicado a humanizar as relações e conta como vê urgência nisso, não só nas relações pessoais como no ambiente de trabalho. Michelle comenta que há nesse espaço (corporativo) um fetiche da produtividade, que leva as pessoas ao limite, e o quanto é importante trazer o olhar de volta para a potência do humano. Ao que nossa entrevistada complementa: “Novo paradigma, tão ancestral e primário mas precisa ser apresentado como um novo paradigma.”

Ela diz que quando pensa na humanização das relações, inclusive no ambiente laboral, procura trazer a relação da pessoa com ela, com seus movimentos, interesses, gestor, trazendo do lugar de dentro, da intimidade para então ampliar a visão desse movimento no espaço, explorando com os alunos que topografias cada corpo desenha no espaço, imagens que podem emergir, como cada um se relaciona com o espaço e com o movimento de outra pessoa. “Construo, assim, um ambiente seguro para poder dialogar, falo como me senti, converso sobre o que acontece – só isso já gera uma identificação – quando a gente se identifica a gente se humaniza. E alguma instância a gente se identifica uns pelos outros, a começar pelo interesse de estar ali naquele momento”, conta. 

Movimento e escolhas do viver

Para Laura, a dança deveria estar no cotidiano das pessoas, promovendo “menos estados emergenciais e mais estados dançantes e poéticos – respiro, pausa, beleza”. Experimentar a dança fora da hora marcada de evento permite que as pessoas experimentem mais o próprio movimento, o próprio corpo: “Que escolhas você está fazendo para mover com esse braço?” – exemplifica -, “é importante que a gente tenha clareza das escolhas, não é sobre certo ou errado; é sobre que escolha você está fazendo. A gente consegue criar essas relações entre sala de aula e vida, a gente começa a humanizar. A arte sai do palco e ela vem pra minha casa”, conclui.

Assim, a dança sai do espaço regrado da coreografia e entra na potencialidade da improvisação, mais focada na construção e expressão da intenção do movimento do que em brilhar num palco. 

Muitos colegas perguntam por que ela escolheu essa arte, e ela conta que a dança geralmente atrai mais público que quer dançar num espaço específico; e ela reflete: “como a gente tira a arte desse lugar que é só com artista? Como transpor esse lugar?” E responde que só é possível levar arte para outros públicos desconstruindo elementos. Ela levou, por exemplo, o improviso e a educação somática para dentro de uma empresa de TI e acredita na promoção de diálogos novos com esses espaços, entre as pessoas e que assim se gera transformação. “Eu acredito, em qualquer instância, quando a gente muda nossa relação com a gente pelo sensível, a gente muda a forma como ocupa os espaços, a gente precisa mudar o que coloca no mundo”, conclui. 

Por fim, falamos sobre intimidade como qualidade do movimento refletivo. No poema “Achadouros”, lembra Laura, de Manoel de Barros, há um verso que diz “A gente descobre que o tamanho das coisas há que ser medido pela intimidade que temos com as coisas.” É essa qualidade de dedicação com a gente e com as coisas que a facilitadora defende e promove por meio de seu trabalho: tirando as pessoas de uma rotina que gera ausência e conduzindo-as a bailar com presença na vida.

Como citar: TONINI, Laura. Laura Tonini e a dança entre Comunicação e Corpo. [Entrevista concedida a] Carolina Messias e Michelle Prazeres. Projeto Humanizar a Comunicação. São Paulo, DesaceleraSP, 19 abr. 21. s. p.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

You may use these HTML tags and attributes:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>